Plano de ensino



Download 87.02 Kb.
Sana23.04.2017
Hajmi87.02 Kb.


Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Centro de Ciências Jurídicas – CCJ

Departamento de Direito – DIR

PLANO DE ENSINO




I – IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA

Nome

Negociação e Mediação

Curso

BACHARELADO EM DIREITO

Código

DIR 5176

N° horas-aula

36 h/a

Ano

2015

Período

1º semestre letivo.

Dias e horários

Diurno e Noturno – segundas-feiras

Professor

Dr. Paulo Roney Ávila Fagúndez Blog: http://pauloroneyavilafagundez.zip.net



II – EMENTA

Conceitos e princípios da negociação e da mediação. Aspectos sociais, políticos e econômicos da negociação e da mediação. Relações interpessoais e inter-organizacionais. Negociação como atividade cotidiana. Táticas e estratégias de negociação. Habilidades de relacionamento e tecnologia da negociação. Mediação, jurisdição e jurisconstrução. Mediação, conciliação e transação. Papel e ética do mediador.




III – OBJETIVOS

Geral

Estudar a teoria dos conflitos e técnicas de negociação e mediação. Desenvolver competências para uso dessas técnicas. Discutir a gradativa inserção dessas técnicas no processo judicial brasileiro. Introduzir o tema da arbitragem.

Específicos

  • Identificar e analisar conceitos iniciais da disciplina, para possibilitar o adequado aprendizado de seu conteúdo;

  • estudar a teoria dos conflitos

  • estudar técnicas de comunicação e de negociação

  • colocar essas técnicas em prática por meio de exercícios e debates em sala

  • estudar técnicas de mediação

  • estudar a modificação de paradigma no processo judicial e a tendência de aproximação das partes na solução dos conflitos

  • apresentar em linhas gerais o tema da arbitragem como alternativa para a solução extrajudicial de conflitos e sua disciplina no direito brasileiro



IV – CONTEÚDO

UNIDADE 1 – Composição de conflitos

1 Teoria dos conflitos

2 Resolução extrajudicial de conflitos: Negociação, Conciliação, Mediação e Arbitragem
UNIDADE 2 - Negociação

1 Técnicas de comunicação

2 Técnicas de negociação

3 Prática simulada


UNIDADE 3 – Mediação

1 O mediador

2 O Procedimento de Medição

3 Habilidades na comunicação

4 Técnicas de mediação
UNIDADE 4 – Acesso à Justiça e participação: mudança de paradigma na composição judicial de conflitos

1 Mudança de paradigma

2 Princípios e fundamentos

3 A tutela jurídica brasileira – o marco constitucional


UNIDADE 5 – Introdução à arbitragem

1 Conceito de arbitragem

2 Princípios fundamentais e validade da arbitragem

3 Introdução à lei brasileira de arbitragem





V – FONTES

Bibliografia básica

  1. ABREU, Pedro Manoel. Processo e democracia: o processo jurisdicional como um locus da democracia participativa e da cidadania inclusiva no estado democrático de direito. São Paulo: Conceito Editorial, 2011.

  2. BARRAL,W. A arbitragem e seus mitos. Florianópolis: OAB/SC, 2000.

  3. FAGÚNDEZ, Paulo Roney Ávila Fagúndez. Direito e holismo. São Paulo: LTr, 2000.

  4. __________. O direito e a hipercomplxeidade. São Paulo: LTr, 2003.

  5. __________.Direito e Taoísmo. São Paulo: LTr, 2005.

__________. A psicanálise, a ciência e o sujeito do direito. Florianópolis: Revista Sequência, n.52, jul. 2006, p. 243-256.

  1. __________,As medidas de urgência ambiental e a necessidade de mudança de cultura no campo processual. Porto, Portugal: Universidade Lusíada, 2011.

  2. __________.O modelo restaurativo, o sistema multiportas e a advocacia pública:novos paradigmas para a ciência jurídica. Tese. Congresso Nacional de Procuradores de Estado.

  3. EGGER, Ildemar. O papel do Mediador. Publicado na Internet no endereço: http://www.egger.com.br/ie/mediacao.htm

  4. FISHER, R., URY, W., PATTON, B. Como chegar ao sim. 2. ed. Rio de Janeiro: Imago, 2005.

  5. KRISHNAMURTI, Jiddu. Sobre conflitos. São Paulo: Cultrix, 1996.

  6. VASCONCELOS, Carlos Eduardo de. Mediação de conflitos e práticas restaurativas. São Paulo: Método, 2008.

WARAT, Luis Alberto. O ofício do mediador. Florianópolis: Habitus, 2001.



Bibliografia complementar

ANDRADE, Rui Otávio B. de; ALYRIO, Rovigati Danilo; MACEDO, Marcelo Alvaro da Silva. Princípios da negociação. São Paulo: Atlas, 2004.

ÁLVAREZ, Gladys Stella. La mediación y el acceso a justicia. Buenos Aires> Rubinzal-Culzoni Editores, 2003.

________; et al. Evaluación de la ley de mediación y conciliación. Buenos Aires: Fundación Konrad Adenauer, 1998.

AUGUSTINE, Norman R. Como lidar com as crises: os segredos para prevenir e solucionar situações críticas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

CAIVANO, Roque J; GOBBI, Marcelo; PADILLA, Roberto E. Negociación y mediación. Buenos Aires : AD HOC, 1ª ed., 1997.

CALCATERRA, Rubén A. Mediación estratégica. Barcelona: Gedisa, 2002.

CALMON, Petrônio. Fundamentos da mediação e da conciliação. Rio de Janeiro: Forense, 2007.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à justiça. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1988.

CARAM, Maria Elena; EILBAUM, Diana Tereza; RISOLÍA, Matilde. Mediación – diseño de uma práctica. Buenos Aires : Libreria Historica, 2006.

CARVER, T. B., VONDRA, A. A. Alternative dispute resolution: why it doesn’t work and why it does. In: Harvard Business Review on negotiation and conflict resolution. Cambridge: Harvard Business School Press, 2000. p. 189-214.

DAVID, René. L`arbitrage dans le commerce international. Paris:Economia, 1981.

DIEZ, Francisco; TAPIA, Gachi. Herramientas para trabajar em mediación. Buenos Aires: Paidós, 2006.

ENTELMAN, Remo F. Teoria de conflictos – hacia un nuevo paradigma. Barcelona : Gedisa, 2005.

GÓMEZ, Francisco Javier Gorjón; LÓPEZ, Karla Annett Cynthia Sáenz. Métodos alternos de solución de controvérsias. México: CECSA, 2007.

________; VIANCOS, Juan Enrique Vargas (Coordenadores). Arbitraje y mediación em las Américas. Santiago: CEJA, UANL, 2005.

GRINOVER, Ada Pellegrini; WATANABE, Kazuo; LAGRASTA NETO, Caetano. Mediação e gerenciamento do processo. São Paulo: Atlas, 2007.

HESPANHA, Benedito. A autopoiese na construção do jurídico e do político de um sistema constitucional. Cadernos de Direito Constitucional e Ciência Política. São Paulo: Revista dos Tribunais, n.27, abr. 1999, p. 59-78.

HIGHTON, Elena I.; ÁLVAREZ, Gladys S. Mediación para resolver conflictos. Buenos Aires : AD HOC, 1998.

LEITE, Eduardo de Oliveira (Coordenador). Grandes temas da atualidade – mediação, arbitragem e conciliação. Rio de Janeiro: Forense, v. 7, 2008.

MALUF, Carlos Alberto Dabus. A transação no direito civil. São Paulo: Saraiva, 1985.

MARINONI, Luiz Guilherme. Novas linhas do processo civil. São Paulo: Malheiros, 3ª Ed., 1999.

MARTINELLI, Dante P.; VENTURA, Carla A. A.; MACHADO, Juliano R. Negociação internacional. São Paulo: Atlas, 2004.

MATURANA, Humberto R., VARELA G., Francisco. A arvore do conhecimento: as bases biologicas do entendimento humano. Campinas: Psy II, 1995.

MNOORKIN, Robert H.; PEPPET, Scott R.; TULUMELLO, Andrew S. Resolver conflictos y alcanzar acuerdos. Barcelona: Gedisa, 2003.

MOORE, Christopher W. O processo de mediação. Porto Alegre : Artmed, 2ª ed., 1998.

MORAIS, José Luis Bolzan de. Mediação e arbitragem. Porto Alegre: Livraria do advogado, 1999.

MULHOLLAND, Joan. El lenguaje de la negociación. Barcelona: Gedisa, 2003.

REDFERN, Alan.; HUNTER, Martin. Law and practice of international commercial arbitration. Londres:Sweet&Maxwell, 1999.

_________. Teoria geral do processo. São Paulo: Malheiros, 4ª Ed., 1999.

RODRIGUES, Horácio Wanderlei. Acesso à justiça no direito processual brasileiro. Florianópolis: Acadêmica, 1994.

SANTOS, Ricardo Soares Stersi dos. Noções gerais da arbitragem. Florianópolis : Boiteux, 2004.

SILVA, Adriana S. Acesso á justiça e arbitragem. São Paulo: Manole, 2005.

STONE, Douglas; PATTON, Bruce; HEEN, Sheila. Conversas difíceis. Rio de Janeiro: Alegro, 1999.

SENGE, Peter. A Quinta Disciplina: arte e prática da organização que aprende. 25. ed. São Paulo: Best Seller, 2009.

SERPA, Maria de Nazareth. Mediação de família. Belo Horizonte: Del Rey, 1999.

SHELL, G. R. Negociar é preciso. 13. ed. São Paulo: Elsevier, 2001.

TARGA, Maria Inês C. de Cerqueira César. Mediação em juízo. São Paulo: Ltr, 2004.

URY, William L. Supere o não – negociando com pessoas difíceis. Rio de Janeiro: Best Seller, 2ª Ed., 2004.

________; FISHER, Roger; PATTON, Bruce. Sí....de acuerdo. Buenos Aires: Norma, 2005.

WATZLAWICK, Paul; BEAVIN, Janet Helmick; JACKSON, Don D. Teoria de la comunicacion humana. Barcelona : Herder, 1983.


VI – AVALIAÇÃO

Instrumentos de avaliação

1 Provas:

Para fins da avaliação semestral serão aplicadas duas provas escritas, sendo que a última poderá ser substituída por prova oral, com peso 3 (cada uma), e conteúdos abaixo indicados:

prova 1 – aulas da unidade 1e 2;

prova 2 – aulas da unidade 3 a 5.

A distribuição dos conteúdos (unidades) entre as provas poderá ser modificada ocorrendo alteração do cronograma de aulas.

2 Simulação de negociação:

Será feito exercício em grupo de prática simulada de negociação, com peso 3.



3 Participação

Nota de 0 a 10, com peso 1 (10%) na nota final. Essa nota leva em consideração a assiduidade e pontualidade, a postura e seriedade do aluno dentro da sala de aula, a leitura dos textos-base e a participação nos debates, exercícios em grupo e aulas expositivas dialogadas.



4 Frequência

Será exigida a presença mínima em 75% das aulas, na forma da legislação vigente.



5 Recuperação:

Haverá, ao final do semestre, uma prova final de recuperação, sobre toda a matéria ministrada no respectivo período letivo. Essa prova é obrigatória para os alunos que apresentarem média inferior a 6 (seis). Para ter direito à prova de recuperação é necessário ter média igual ou superior a 3 (três), bem como possuir frequência às aulas de no mínimo 75%. Alunos com média inferior a 3 (três) e/ou frequência insuficiente não terão direito à prova de recuperação, estando automaticamente reprovados.



Revisão das avaliações

Os alunos que desejarem apresentar pedido de reconsideração ao professor, da correção efetuada em suas provas e trabalhos, deverão fazê-lo no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, contadas da respectiva devolução. O pedido de revisão ao Departamento deverá ser feito no prazo de 48 (quarenta e oito) horas da publicação das notas pelo Departamento. Os pedidos de reconsideração e de revisão deverão ser, necessariamente, por escrito e motivados.

Critérios para aprovação

A avaliação será feita pelo sistema de notas de 0 (zero) a 10 (dez), não podendo as notas finais (médias) serem fracionadas aquém ou além de 0,5 (meio ponto). Será atribuída nota 0 (zero) ao aluno que não comparecer às provas ou não apresentar os trabalhos na forma solicitada e nos prazos estabelecidos.

Serão atribuídas ao aluno duas notas parciais, oriundas das duas provas escritas previstas neste Plano de Ensino e dos trabalhos realizados (quando for o caso) em cada bimestre. Nos casos previstos no item 4 dos instrumentos de avaliação (prova de substituição), a nota da prova oral, versando sobre todo o conteúdo do semestre, substituirá as notas das provas escritas não realizadas.

Será considerado aprovado o aluno que obtiver média aritmética final igual ou superior a 6 (seis), considerando para o cálculo:


  • nota 1 = 10,0 pontos;

  • nota 2 = 10,0 pontos.

A nota final dos alunos que realizarem prova final de recuperação será obtida pelo cálculo da média aritmética entre a nota da prova final e a média aritmética das duas provas bimestrais. Será considerado aprovado o aluno que alcançar nota 6 (seis) ou superior a 6 (seis).

Tendo em vista o que dispõe a legislação educacional, só obterá crédito e nota na disciplina o aluno que comparecer no mínimo a 75% das aulas ministradas (54 horas-aula). O não cumprimento dessa exigência implica na reprovação do aluno com nota zero, independentemente do resultado das avaliações que ele eventualmente tenha realizado.





Conceito I

Poderá ser consignado, a critério do professor, conceito I ao aluno que possua frequência suficiente e tenha demonstrado aproveitamento parcial, tendo, entretanto, deixado, por motivos plenamente justificados, de realizar provas ou de apresentar trabalhos exigidos no plano de ensino. Nessa hipótese, exigir-se-á a realização de tarefa especial, que deverá ser cumprida no prazo máximo de 30 (trinta) dias, contados da data da publicação oficial das notas finais. A não entrega dessa tarefa implicará na reprovação definitiva do aluno.


Download 87.02 Kb.

Do'stlaringiz bilan baham:




Ma'lumotlar bazasi mualliflik huquqi bilan himoyalangan ©hozir.org 2020
ma'muriyatiga murojaat qiling

    Bosh sahifa
davlat universiteti
ta’lim vazirligi
O’zbekiston respublikasi
maxsus ta’lim
zbekiston respublikasi
o’rta maxsus
davlat pedagogika
axborot texnologiyalari
nomidagi toshkent
pedagogika instituti
texnologiyalari universiteti
navoiy nomidagi
samarqand davlat
guruh talabasi
ta’limi vazirligi
nomidagi samarqand
toshkent axborot
toshkent davlat
haqida tushuncha
Darsning maqsadi
xorazmiy nomidagi
Toshkent davlat
vazirligi toshkent
tashkil etish
Alisher navoiy
Ўзбекистон республикаси
rivojlantirish vazirligi
matematika fakulteti
pedagogika universiteti
таълим вазирлиги
sinflar uchun
Nizomiy nomidagi
tibbiyot akademiyasi
maxsus ta'lim
ta'lim vazirligi
махсус таълим
bilan ishlash
o’rta ta’lim
fanlar fakulteti
Referat mavzu
Navoiy davlat
umumiy o’rta
haqida umumiy
Buxoro davlat
fanining predmeti
fizika matematika
universiteti fizika
malakasini oshirish
kommunikatsiyalarini rivojlantirish
davlat sharqshunoslik
jizzax davlat